quinta-feira, 22 de abril de 2010

Terminei

 Pois é, terminei de ler o livro, e curiosamente fiquei com uma sensação de missão cumprida, como se tivesse concluido uma fase da minha vida e fosse iniciar uma nova.
 Não pensei que o livro tivesse tanto a dizer sobre quem sou, como sou, nem todas as coisas escritas se associarem a mim, principalmente porque o livro fala de várias pessoas, de várias personalidades, de várias sensações, mas algumas das palavras, senti como se fossem dirigidas a mim.
 Aprendi a ver-me e a também ver os outros, de outra maneira, agora desejo conseguir colocar em prática.
 Folheei 222 páginas como se de um presente preciosos se tratasse, e foi isso mesmo que foi, um presente para aprender mais, entender mais e melhor.
(St.Moritz)
 Não gostaria de me despedir do livro sem deixar aqui as ultimas frases que me disseram alguma coisa...

"Quando amamos alguém, o pior que nos pode acontecer é a traição. Um sofrimento bastante doloroso, para o qual parece impossivel criar sentido."

"Quem ama não trai. Mas ser adulto no bilhete de identidade nao é o mesmo que ser adulto psicologicamente. Ser adulto psicologicamente é um processo complexo e muito exigente, que depende de muitas variáveis, algumas que nós mesmos não podemos controlar."

"No amor não há espaço para a traição. Olhar para alguém, sentir atracção acontece a todos nós. Mas nada mais."

"O amor caracteriza-se também por ter reconhecido naquela pessoa a compatibilidade de um projecto conjunto. Mesmo que cada um tenha os seus projectos próprios, reconhece-se a possibilidade de criar um projecto mais amplo a realizar pelos dois. E então, no amor, não há lugar para a traição."

"Não falamos com medo das consequências. Mas quando assim fazemos, não confrontamos as nossas ideias, e caminhamos num mundo de fantasia, que na verdade não nos permite viver a nossa vida."

"Para podermos conviver uns com os outros é necessário entender minimamente o que pensa o outro, que opinião tem sobre o mundo e aquilo que acontece."

"Se dizemos algo que é mal interpretado isso pode trazer mais problemas do que ficar calado. Por isso, muitas vezes ficamos na dúvida: digo o que penso e levanto um problema, ou fico calado e não resolvo o problema."

"Aprender a andar implicou muitas quedas, muitas dores. Queremos a todo o custo evitar sofrer com o sofrimento que a aprendizagem do comunicar pode provocar. Comunicar é muito complexo e aprender pode custar perder alguém. Alguém que, não gostando ou não compreendendo o que dizemos, se afasta de nós para sempre. Mas se não comunicamos nunca poderemos sentir verdadeiramente que estamos em relação com outra pessoa."

"A relação do coração está cheia de paixão. Sofremos por ter aquela pessoa. Eventualmente, o medo de perdê-la deixa-nos em pânico...Gostamos tanto daquela pessoa que tudo o que queríamos era conseguir entendê-la melhor para que a nossa relação melhorasse, já que estamos convencidos de que é a pessoa certa para nós."

"...só se torna verdadeiramente um amor, quando a relação de corpo e a relação de coração se transformou numa relação de cabeça. Esta é a parte mais difícil, porque exige um trabalho enorme..."

"O amor é uma construção..."

"A compatibilidade é uma construção, que se vai aguentar, e levar em frente, ou não, e entrão terminamos a relação. Mas para que seja possível é necessário comunicar. Pôr em comum os projectos de um e de outro. As opiniões, as leituras sobre o que se passa à sua volta. E nem sempre isso é fácil. Expor-se a outra pessoa, para que a comunicação seja possível, muitas vezes levanta temores de rejeição, de humilhação, o que nos pode bloquear completamente, impedindo a comunicação."

"Quero aprender muito bem que o medo de perder, faz perder."

"Percebo agora que é a falar que contruímos o amor."

(St.Moritz)
"O amor não depende da sorte ou do azar de cada um, mas do trabalho a que cada um se obrigou para lá chegar."

Obrigado por ter escrito este livro e ter compartilhado conosco o seu saber.
Obrigada amiga por me deixares usufruir destas palavras.
Kiss Kiss

Sem comentários: